quarta-feira, 3 de maio de 2017

Polícia ouve depoimentos sobre ataque a aldeia indígena

cimi_1_(Medium)


Indígenas Gamela da aldeia Cajueiro Piraí, localizada em território retomado em 2015 (Foto: Ana Mendes/CIMI)

O governo do Maranhão informou que as investigações para apurar os autores do ataque a uma aldeia indígena no último domingo (30) iniciaram-se com o depoimento de agricultores, posseiros e indígenas que moram no local. De acordo com as autoridades, um inquérito policial foi aberto para investigar o crime, que deixou feridos 13 indígenas da etnia Gamela em uma aldeia localizada em Viana (MA).




Polícia Civil foi à aldeia Cajueiro Piraí (Foto: Ana Mendes/CIMI)

"As forças de segurança permanecerão atuando para garantir a integridade física dos cidadãos, enquanto todos aguardam o pronunciamento do governo federal sobre a questão indígena em debate", informou o governo do Maranhão, por meio de nota, sobre o que classificou de "grave situação de violência". Na região, que é palco de conflitos agrários, os indígenas foram atacados por homens armados com facões e armas de fogo.
Diferentemente das primeiras informações, nenhuma pessoa teve a mão decepada. "Conforme boletins médicos, em face da agressão sofrida, um dos gamelas teve fraturas expostas nos braços. A equipe médica interveio e fez cirurgia para resolver a grave lesão. A cirurgia foi realizada e, até aqui, o paciente vem tendo evolução. Permanece internado em hospital do governo do estado e devidamente assistido por equipe médica", informou a secretaria da Comunicação Social e Assuntos Políticos do Maranhão.
Ainda segundo o governo, das sete pessoas que foram atendidas em hospitais municipais e estaduais, cinco são gamelas e três permanecem internadas.
Mais cedo, a Fundação Nacional do Índio (Funai) disse que criou uma frente de trabalho para visitar o Povoado de Bahias, área dos gamela.


Fonte: Agência Brasil