quarta-feira, 17 de maio de 2017

Qualidade de internet no Maranhão é debatida

INTE_(Medium)
Discutir as condições da rede visando à melhoria da conexão à internet no Maranhão”. Este foi o propósito do IX Fórum Regional do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC), ocorrido no Auditório Multimídia da Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação (PPPGI), da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), na capital São Luís. O Encontro foi promovido em parceria com o Núcleo de Tecnologia da Informação (NTI) daquela instituição.
O coordenador do RNP na UFMA, Nélio Guilhon, explicou que a universidade tem contribuído com a melhoria do tráfego de internet no estado por meio da criação de sistemas autônomos independentes de provedores de internet. “O projeto Ponto de Presença da RNP e também o novo Data Center da UFMA são capazes de conectar todos os provedores do Maranhão e diminuir o fluxo de dados, facilitando as pesquisas e a velocidade da rede”, afirmou.
O NIC também promoveu na Cidade Universitária o Curso de Boas Práticas para Sistemas Autônomos (BCOP), que documentam as melhores práticas relacionadas a uma tecnologia ou ferramenta específica. Durante o fórum, os alunos puderam compartilhar o aprendizado.
O analista de projetos do NIC, Eduardo Morales, disse que os sistemas autônomos se conectam por Content Delivery Network (CDN ou Rede de Fornecimento de Conteúdo) ou cachês (área de armazenamento onde dados ou processos frequentemente utilizados são guardados para um acesso futuro mais rápido) que descentralizam a localização. “Desta forma funcionam as redes do Google, Netflix e Alkamai e que, caso expandido no Maranhão, disponibilizará maior velocidade de acesso”, destacou.
Saiba mais
O Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) é uma entidade civil, de direito privado e sem fins de lucro, que implementa as decisões e projetos do Comitê Gestor da Internet no Brasil. São atividades permanentes do NIC.br: coordenar o registro de nomes de domínio, estudar, responder e tratar incidentes de segurança no Brasil e pesquisar tecnologias de redes e operações.


Fonte: Ascom