sexta-feira, 28 de abril de 2017

Mais de 2 toneladas de drogas foram apreendidas no Maranhão



Mudando de estratégia, passando a atacar a distribuição de drogas mirando diretamente nos grandes distribuidores, a Polícia Civil do Maranhão já bate recorde em operações contra o tráfico de drogas no estado, apenas nos quatro primeiros meses de 2017. De janeiro á abril a Polícia Civil através da SENARC já apreendeu cerca de 2,5 toneladas de drogas e 24 armas dos mais diversos calibre , algo inédito se comparado aos anos anteriores .




Durante uma coletiva da sede da Senarc, o Secretário Jefferson Portela destacou que com o combate direcionado aos grandes distribuidores, a força da segurança pública ataca simultaneamente uma série de outros crimes  como roubos, furtos e alguns tipos de homicídios, além de inibir e prevenir a ocorrência de problemas de ordem social, como a desagregação familiar, onde muitas famílias sofrem as consequências de ter um membro usuário.

Portela afirmou que as apreensões são históricas e atribui ao investimento  do Governo do Estado nos setores de inteligência associado à maior integração entre as forças  de segurança já vista no Maranhão.

Por sua vez, o Delegado geral da Polícia Civil Lawrence Melo disse um número grandioso de apreensão de drogas é resultado de uma Polícia Civil integrada entre seus departamentos e superintendências tanto na capital como no interior do estado. “As intensificações das ações da Polícia Civil vêm conseguindo retirar as drogas que seriam ofertadas nas ruas e que alimentariam vícios e criariam novos usuários, por isso o foco nos grandes distribuidores.” Ressaltou Lawrence.

Segundo o Superintendente da Senarc, Delegado Carlos Alessandro houve um aumento de quase 90% nos números de apreensões de drogas só nos primeiro trimestre de 2017 se comparado com mesmo período de 2015 e 2016. Ele ainda chamou a atenção na parceria da comunidade para colaborar no combate ao tráfico. Que na ótica dele, tão importante quanto o trabalho da polícia é a participação da sociedade em denunciar os pontos de venda e distribuição de drogas.


Fonte: Ascom